Posted by on Abr 29, 2011 in | 0 comments

Reportagem para o Sintra Desportivo – Abril 2011

Os alunos da Escola Ferreira de Castro, em Mem Martins, trocaram os habituais lápis e cadernos por pás, enxadas e vassouras. O objectivo era simples: lançar mãos à obra e limpar a escola.

Pás, enxadas, caixotes, sacos do lixo, luvas. As mochilas ficaram guardadas na sala de aula. Tudo para levar a ideia do “Limpar Portugal” para a realidade dos mais pequenos: limpar a escola. A semana começou sem aulas, com os alunos a terem os períodos escolares dedicados à importância de ter uma escola em condições, mas também aos deveres cívicos de cada um. Afinal de contas “existem muitos maus cidadãos”, diz Frederico de 15 anos. A descrição do espaço era muito desconfortante: “muita sujidade, as pessoas não cuidaram da escola e deixaram criar muitas raízes nestes espaços”. Por isso o trabalho foi gratificante, mas “não fica por aqui”. Frederico é um dos que acredita que os mais velhos têm uma responsabilidade acrescida perante os mais novos.

Mais à frente, duas alunas do sexto ano trocam uns risos nervoso e deixam sair um “é nojento”, “eu até tirei pastilhas do chão com pauzinhos”. Um esforço que valeu a pena. No anfiteatro do recreio, ao ar livre, alunas pegam nas mangueiras e nas vassouras para deixar o espaço mais limpo. Nas zonas verdes, os alunos plantaram novas árvores, retiraram pedras e arbustos. Nas árvores foram colocados ninhos para pássaros.

A Junta de Freguesia deu o material e os estudantes tiveram apenas de fazer o trabalho. “Apenas”, porque o trabalho foi muito. As zonas de escoamento de águas estavam entupidas, no final do dia estavam completamente libertas de folhas e terra. O campo de jogos já não tinha marcações, no final do dia as linhas estavam pintadas e bem delimitadas no chão. “O que mais me fascinou foram crianças virem falar comigo e acharem imensa piada a cavarem. Muitos pegaram nas pás apenas para cavar”, descreve a professora Ana Banha, responsável pela organização.

Ana Banha acredita que este não é apenas um dia isolado, uma vez que os alunos ganham a consciência do que é limpar a escola, o que abre a porta a um civismo maior. O próximo passo será conseguir meios para avançar com outros arranjos na escola. É preciso pintar paredes, arranjar muros, fazer alguns arranjos. Até lá, os alunos estão agora responsáveis por zonas da escola para que estas não voltem a ficar degradadas.