Posted by on Dez 2, 2010 in Fugas de informação | 0 comments

Fazer hoje um blog  já não é, por si só, original. Não fazer um blog é que é quase original. Não posso dizer que seja novato em “escrituras” online.  Já tive flog, aquele site chamado Fotolog. Era uma loucura. Todos tinham e eu também. O Flog era levado a sério: era tema de conversa nos intervalos e nas aulas; era a razão para tirar aquela fotografia; era o que levava alguns à vergonha outros ao sucesso.

Depois tive o Hi5, o blog do Hi5. Sentimentalista como o Flog. Texto sobre os sentimentos, amores e desamores. Depois começou o Facebook e tivemos o dezinteressante. Um projecto que durou mais tempo do que todos pensámos. Jornalismo online com um risco de egocentrismo. Adorámos! Depois o Facebook, o Twitter e o Linkedin. Depois? Depois este Fugas de Informação.

Não prometo que não tenha sentimentos, não prometo que não seja chato e até desinteressante. Prometo que será meu, prometo que será de quem o quiser. Quando não tiverem sítio para publicar algo e quiserem escrever, mandem para aqui. Quero que este seja um espaço de olhares, emoções, críticas e principalmente de irreverência.

Não suporto ao estado em que chegámos;  onde esta geração chegou: defendem treinadores que não respondem aos jornalistas, políticos que enganam e voltam a enganar e ainda fazem tudo o que fizeram de mal. Revoltem-se! Cá estaremos.

Boas palavras para todos.